Skip to content

PFW SUMMER 2011 – UMA BRISA ANDINA NA CELINE

03/10/2010

Com uma profusão de tecidos naturais a Celine celebra o purismo em linhas clássicas dos anos 90.

Reprodução Vogue UK

Phoebe Philo talvez tenha pensado no calor e no conforto para as consumidoras da Celine neste verão 2011. Suas roupas foram basicamente confeccionadas em tecidos de algodão que facilitam a transpiração, em uma trama que permite a passagem do ar e a leveza dos movimentos. Para reverter a simplicidade, Philo sobrepôs tops, usou o couro, tingiu a coleção de uma cartela de cores composta de branco, beges e cremes com o caramelo, o azul e o verde.

A coleção teve muitas batas soltas sobrepostas, camisetas com mangas amplas, tais como as que apareceram na Prada e na Jil Sander. Havia uma composição de linhas verticais que era reforçada pelo corte e pelas calças pantalonas que tiveram bastante força, presentes na maior parte dos looks, algumas com leve transparência, que permitia ver os bolsos.

As cores que complementam | Reprodução Vogue UK

A modelagem de túnica e as tramas de fibras naturais, que apareceram repetidas vezes, traziam uma atmosfera andina, calmamante ligada aos sul americanos, pelas cores e estampas que vieram nas batas esvoaçantes no final da apresentação. Esse ar andino se reproduzia pelos tecidos naturais, ganhando força com o couro bem colocado no verão, de maneira simples e precisa. Philo prezou pela elegância e sobriedade, realizando um trabalho que parece ser sua nova característica, desde de seu retorno a Celine no ano passado. É um trabalho minimalista, onde se reconhece a grande influência do mestre Lang. Philo trouxe a calça com cintura mais baixa, se contrapondo a todos que mantém a cintura lá em cima. Fez uma silhueta que alonga o corpo e favorece as que possuem mais curvas com o uso das cores escuras, como o azul.

A força dos tecidos naturais | Reprocução Vogue UK

Lembro-me das primeiras reações ao minimalismo, dito sem graça. Mas hoje, com o desfile da Celine, o minimalismo nunca pareceu tão moderno. A impressão que se dá, é que a moda está entrando em um novo processo depois de toda a profusão das cores e formas sensuais. Onde o bege é o novo preto e preto o novo branco, trocando a ordem e alterando os fatores de todos dizeres clichês da moda. Acredito na visão de Phoebe, que está trabalhando estas formas desde o inverno deste ano, jogando com o couro que esteve presente em várias coleções de NY até Paris. É a visão de quem já exerceu forte influência na moda, na era da magia do romantismo, no início dos anos 2000, quando o vitoriano parecia ser o novo minimalismo. Phoebe foi mestra nisso! Contudo a proposta dela agora e outra.

Listras também na Celine! | Reprodução Vogue UK

Talvez aqueles que olham para moda agora pela primeira vez, digam que não há graça no minimalismo, nem entendam agora a força, a beleza e poder de um desfile como o da Celine, mas é preciso vislumbrar todo processo da moda mesmo aquele que compreende o declínio da alta-costura, o excesso dos anos 80, para entender que o se diferenciar é o que move tudo. Esse é o ponto onde a moda começa um estado de purificação de elementos e volta a buscar a elegância clássica, que é muito mais difícil de se reinventar verdadeiramente. Então vivamos os longos, as formas longe do corpo e o retorno mais que necessário da pantalona.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: